fbpx

No cenário digital, investir na criação de conteúdos para as redes sociais pode ajudar a chamar pacientes, mas é preciso trabalhar isso com cuidado

Em um cenário digital cada vez mais robusto, muitas profissões estão investindo na criação de conteúdos digitais, tanto para repassar informações quanto para atrair mais clientes. Na área da saúde, isso não está sendo diferente.

É cada vez mais comum a presença de profissionais como nutricionistas criando conteúdo para expandir seu trabalho, seja com receitas, dicas ou até mesmo consultorias online. No entanto, alguns pontos exigem uma atenção maior, considerando as recomendações éticas.

Guia de conteúdo para nutricionistas: quais são as recomendações éticas?

Como os nutricionistas podem produzir conteúdo de forma ética?

Existem diversas maneiras pelas quais os nutricionistas podem começar a criar conteúdos para redes sociais de maneira ética e informativa.

Prezar por conteúdos embasados cientificamente, por serem integralmente associados à área da saúde, é um exemplo. É de extrema importância certificar-se de que o que está sendo repassado apresenta uma base em evidências científicas sólidas.

Além disso, evitar prometer dietas milagrosas ou resultados rápidos também é crucial. Embora esse tipo de conteúdo pareça atrair muita audiência, além de criar expectativas irreais em quem está consumindo, pode ser um gatilho para pessoas com algum tipo de distúrbio alimentar, além de não ser ético por representar riscos à saúde.

É necessário deixar claro que cada pessoa possui um organismo único. Criar postagens sobre dicas saudáveis é válido, desde que o conteúdo não seja prejudicial ou adquira um tom sensacionalista.

Por exemplo, se o nutricionista falar sobre alimentos construtores, o foco deve recair sobre a diversidade e a qualidade. Exemplificar os benefícios e como esses alimentos podem contribuir como fonte de vitaminas, uma vez que são ricos em nutrientes essenciais, é válido. Quando esse tipo de informação é divulgada, um bem-estar coletivo é formado.

Incentivar consultas individuais e esclarecer o trabalho também é algo que pode ser aplicado nas redes sociais. Dessa forma, o nutricionista mostra que cada caso é único e deve ser analisado individualmente durante uma consulta, baseado na ética da profissão.

Quando os nutricionistas compartilham informações, é importante que o foco seja promover a saúde de maneira crítica e com base científica. Isso está de acordo com o Código de Ética e Conduta do Nutricionista, conforme a Resolução CFN nº 599/18, especificamente no Artigo 55.

Ao usar mídias como redes sociais, é essencial que os nutricionistas garantam que as informações sejam compreensíveis para todos. Isso significa transmitir conceitos sobre alimentação e nutrição de forma clara, direta e fácil de entender, de acordo com o que é indicado no Código de Ética, Artigo 55.

É estritamente proibido usar estratégias que possam prejudicar a população ou criar uma competição injusta. Isso inclui evitar mensagens falsas ou sensacionalistas, pois isso vai contra o Código de Ética e Conduta do Nutricionista, conforme explicado no Artigo 56. Em resumo, ao compartilhar informações, os nutricionistas devem agir com responsabilidade, pensando sempre na saúde e no bem-estar do público.