fbpx

Blog

01/11/2018 Marketing digital

Entenda como funciona o teste A/B

O teste a/b é uma forma de buscar garantias mais concretas para os resultados de uma ação de marketing digital. Testar as possibilidades de acerto e tentar otimizá-las é um caminho recomendado para que os objetivos sejam alcançados de forma eficiente.

O marketing digital tem a seu dispor um vasto número de ferramentas que, quando ativadas de forma planejada, ajuda nos esforços de conversão. O desafio é saber se esta conversão pode ser melhorada ou se há formas distintas de consegui-la. Para isso, existe o teste a/b.

Mas você sabe o que é o teste a\b, como ele funciona e suas situações de uso? A ideia deste artigo é explorar o tema e esclarecer todas as suas dúvidas. Boa leitura.

Por que o teste a/b?

As atividades de comunicação e marketing são desenvolvidas para propósitos específicos. Não existem ferramentas e estratégias pré-fabricadas que sirvam para qualquer cliente ou situação. Entender o que cada uma pode produzir é um trabalho que exige análise, experiência e, claro, testes.

O teste a/b funciona para criar um parâmetro de comparação e assim produzir dados que indiquem qual o caminho mais recomendado a se tomar. O horizonte é sempre a melhora, promovendo otimizações para colher os resultados.

Esse é um potencial do marketing digital, uma vez que os dados produzidos são consolidados, e não declarações de intenções. Um clique é de fato um clique, e não uma intenção de visitar uma página. Assim, os indicadores de performance dão o indicativo real do que se pode conseguir optando pelo modelo a ou modelo b do teste.

O que e como testar?

O monitoramento é uma das bases do marketing digital. Ele permite uma flexibilidade incrível das campanhas e a modificação em tempo real do que não está produzindo o efeito desejado. É aí que o teste a/b pode entrar para fazer correções de rumo e até produzir resultados ainda maiores.

O teste a/b consiste na divisão do tráfego em dois modelos a fim de testar a resposta de cada um. O feedback dado pelos grupos a e b, devidamente colhido nos dados gerados, diz qual formato foi o mais eficiente para a ação. Podem ser alvo desses testes:

  • E-mail marketing: envio de newsletter ou e-mail alternativo para medir a taxa de abertura ou clique e avaliar qual texto e layout foi o mais eficiente.
  • Landing Pages: desenvolvimento de duas diferentes para uma mesma campanha, mas focada no mesmo público, e medir qual deu a melhor conversão, avaliando os elementos alterados (CTA, layout, conteúdo, etc.). Essa mesma lógica pode ser usada para páginas de um site.
  • Anúncios: criação de artes diferentes para rede de display a fim de descobrir o que gera mais cliques. Podem ser usados no Google Ads (antigo Google Adwords) e Facebook Ads, quem têm grande abrangência na publicidade online.
  • Links patrocinados: títulos e textos diferenciados, com a mesma palavra-chave, para investir no que apresente melhores taxa de cliques.
  • Redes sociais: criação de postagens diferentes da mesma ação para o mesmo público a fim de ver a que gera maior engajamento, tanto no Facebook, quanto Instagram e Linkedin.

Esses são apenas exemplos. É preciso ter em mente que o teste a/b cria estruturas alternativas em busca do melhor resultado. Assim, são vários itens que podem ser manipulados para se chegar lá, como: alterar cores de um layout, reposicionar elementos, mudar formato e texto dos CTAs, alterar horário de envio de e-mails, entre outros.

Sempre que houver dúvidas, vale a pena usar essa metodologia para entender mais o comportamento do público e gerar a peça que ajude a melhorar os indicadores de performance.

Siga-nos nas redes sociais para ler mais conteúdo como este.

Postado por:
Flávia da Fonte